segunda-feira, outubro 11, 2004

Água



Consultando os dados do INE descubro que os dados de Vila do Conde quanto à água são os piores do país. Apenas 10% da população está servida por ligações de saneamento a ETAR's e 70% possui abastecimento de água. Tento descobrir qual a rede de saneamento para a qual está dimensionada a ETAR de Matosinhos mas não está fácil.

2 espinhos:

Blogger bravosdomindelo disse...

a historia da etar de matosinhos servir para tratar os esgotos de vila do conde e povoa de varzim parece-me mal contada... a etar de matosinhos funciona mal, e apenas com tratamento primario, tanto quanto sei... o que nao se esta a dizer de forma clara é que é necessário investir fortemente nessa etar, na pratica criar uma nova no mesmo sitio.

12:44 da tarde  
Blogger MT disse...

Quanto ao tratamento, uma ampliação da ETAR resolve o problema, o tratamento primario pode continuar a existir sendo acrescentado o secundario. Apesar de tudo o tratamento primário já é um grande passo em relação à situação anterior. A ETAR que visitei em Gaia, serve 200.000 habitantes já possui os 2 tratamentos e tem uma conduta que descarrega o produto tratado a 3Km da costa. Uma solução bastante melhor.
Tenho quase a certeza que a ETAR de Matosinhos foi feita a pensar nas freguesias litorais de Vila do Conde a sul do Ave. Quanto à freguesia de Vila do Conde e à Povoa de Varzim ainda não consegui saber. Mesmo que não fosse previsto não vem todo o mal ao mundo se isso acontecer, embora seja algo tipicamente português e feito em cima do joelho.
Passo a explicar. A ligação da Póvoa e de Vila do Conde corresponde a um aumento de população. O aumento de população provoca um aumento do caudal de esgoto e quanto maior for o caudal, maiores terão de ser as condutas e as EEAR's e ETAR's terão de ter mais capacidade.
No entanto, como se fazem previsões populacionais para 40 anos (tempo de vida de um sistema de saneamento), os caudais que existem agora são muito menores do que aqueles que dimensionaram a conduta (daí que erradamente digam que a ETAR não funciona a 100%). Ela só funcionará na sua máxima capacidade em 2040 mas é algo previsto e pensado assim por razões de segurança. Se a rede começar a servir mais habitantes a ETAR poderá tratar esses caudais imprevistos, mas terá um tempo de utilização muito menor e não o tempo ideal e mais económico.

3:51 da tarde  

Enviar um comentário

<< Atrás